Wow! Uau! 

Oi! Tudo bem? Queria pedir um favor a você. Para um pouco, olha para o aparelho que você está usando para ler esse texto. Ele parece um espaço limitado? Tem uma forma geométrica definida? Algo parecido com um retângulo? Pois bem, lhe convido a ler esse texto e, ao fazê-lo, ir além dos limites desse aparelho. Deixe sua mente passear pelas mais belas paisagens, pelas mais belas cores, escute sons, sinta cheiros… Deixe seu pensamento voar… Isso. Você está indo ao infinito e além, está saindo da caixa…  

O ato de criar começa nas nossas mentes. Ele é expansivo, sem julgamentos e um convite a inúmeras possibilidades. Aliás, o que é mesmo possibilidade? De acordo com muitos dicionários, o vocábulo possibilidade é um substantivo feminino que, vindo do Latim, significa: POSSIBILIS, “o que pode ser feito”, POTI POSSE”, ser capaz, poder”. Então, vamos pensar juntos? Se o ato de criar nos convida a inúmeras possibilidades, ele nos fala que o que pensamos pode ser feito porque temos a capacidade e o poder para fazer acontecer.  

No processo criativo, envolvemos muitas micro-habilidades que trabalham em equipe para que haja o empoderamento de quem cria, através do desejo de criar, de fazer acontecer e a decisão de trabalhar para que esse pensamento se torne realidade. No caminho, haverá espaço para erros, acertos, desenvolvimento da paciência e da resiliência. Vivenciamos a maior parte dessas micro-habilidades sem ao menos perceber, de forma automatizada. O ser humano é um ser inventivo, criador, criativo. O pensamento criativo envolve: 

  • Brainstorming – deixar que a mente crie tempestades de ideias que podem ser realizáveis ou não. Essa é a faísca para todo o desenvolver de outras habilidades.  
  • Imaginar – existe uma linha muito tênue e benéfica entre o possível e o impossível, o conhecido e o desconhecido. Imaginar pode expandir esse limite e nos convidar a entrar por terras jamais antes exploradas.  
  • Design – significa achar o equilíbrio entre forma e função, resolvendo problemas para que o que foi imaginado possa realmente existir e ter funcionalidade. 
  • Criação – o ato de colocar em prática e fazer acontecer o que a mente idealiza. Que materiais serão necessários? O que vem primeiro? O que fará parte da conclusão? Quando algo estará concluído? 
  • Improvisação – Usar algo de forma inédita para resolver um problema. 
  • Inovação – Criar algo que nunca existiu antes. Pode ser um objeto, um processo, uma ideia.  
  • Questionamento – buscar entender o que é novo, questionar para internalizar, compreender e apreender.  
  • Resolução de problemas – usar questionamentos para resolver situações imprevistas, torná-las previsíveis e factíveis.  

Essas são algumas das habilidades que compõem o pensamento criativo. O pensamento criativo pode e deve ser desenvolvido. Ele promove maior internalização da aprendizagem, facilita o pensamento crítico, encoraja a tentativa de certo e erro – algo muito natural para a aprendizagem significativa. A criatividade encoraja a visualização do pensamento e a integração das ideias à vida real, criando conexões de valor para a aprendizagem de vida e pra vida. A prática de atividades que estimulam a criatividade promove oportunidades para comunicação real no ambiente escolar e familiar.  

 A criatividade é uma habilidade essencial no século 21 porque ela nos empodera para que possamos ver conceitos sob perspectivas diferentes, nos levando ao novo, diverso, único. Somos todos assim: únicos. Por isso, o pensamento criativo pode nos ajudar a ver a vida em suas muitas possibilidades, sem nos restringirmos a conceitos pré-concebidos, aceitando o novo e o diverso e sabendo que ele trará aprendizagem e crescimento. Então, que possamos olhar além da caixa, pensar que há muitas possibilidades fora dela e que criar é um direito universal que nos traz o infinito além do alcance.