Você,  com certeza, já ouviu falar no Google e em outras plataformas de pesquisa online. Para saber usá-las e usar tantas outras como o Instagram, o Facebook, outras plataformas de pesquisa, você precisa entrar em contato com a tecnologia. Bem, ela está ao nosso redor, não é mesmo? Estamos na segunda década do século 21 e parece que tudo o que víamos nos filmes das décadas anteriores sobre o futuro, já é agora. E é mesmo! A tecnologia está de mãos dadas conosco, na caminhada de construção por um mundo melhor. Nunca se teve tanto acesso, e tão rapidamente, a conteúdos, como agora.  

Aí mora a razão de nossa atenção e cuidado. Letramento está além do saber ler e escrever. Letramento reúne as habilidades necessárias para ler o que está escrito e ir além das palavras, buscando o entendimento, a compreensão. Letramento digital significa ter habilidades para que se possa viver, aprender e trabalhar em um mundo onde o acesso à informação e à comunicação se dá, cada vez mais, através da tecnologia. Precisamos ter pensamento crítico com relação ao que encontramos no mundo digital, questionar e buscar, ir além do que nos aparece na primeira tela, com o primeiro clique. Pesquisar, estudar, produzir informação digital exige que pensemos criticamente e que saibamos nos comunicar efetivamente.  

Torna-se papel de todos os envolvidos no desenvolvimento da criança, oferecer oportunidades para que ela possa trabalhar o pensamento crítico e aplicá-lo a tudo o que diz respeito ao mundo da tecnologia. Ter cidadania digital significa ter responsabilidade sobre os conteúdos postados e também sobre suas próprias ações, quando usam a internet ou qualquer outra forma de mídia digital. É preciso entender essas responsabilidades e exercitar comportamentos digitais saudáveis, seguros e legalmente aceitáveis.  

Enquanto pais e ducadores, precisamos ter controle sobre o que nossas crianças estão acessando, mantermos o hábito de avaliar conteúdo que elas devem acessar, estar junto com elas e dialogar sobre todo o conteúdo que entra em nossas casas sem nem pedir licença. Eles chegam e, se não houver um diálogo crítico e construtivo sobre ele, estaremos expondo nossos filhos a perigos e situações que podem prejudicar seu bem estar e desenvolvimento saudável. É importante também, conversar sobre privacidade, segurança, senhas, o que, como e com quem partilhar informações e imagens. Buscar a fonte de informações e  sempre explorar mais de uma para certificar se o que está sendo transmitido é verdadeiro.  

O letramento digital perpassa a leitura, a comunicação e a criação de produto digital. Em 2003, a Comissão Europeia criou três vertentes do letramento digital: 

  • A competência digital: habilidades, conceitos e abordagens do letramento digital 
  • O uso digital: a aplicação da competência digital a contextos específicos 
  • A transformação digital: trazer a inovação e a criatividade pra cena e proporcionar mudanças significativas.  

Essa dinâmica serve para quem simplesmente lê e repassa as informações, cria conteúdo sem pensar em conseqüências, não vai além do A – E –I – O – U das letras e não busca ler criticamente o que está ali, no seu celular, tablet ou computador. É tudo tão fácil, não é mesmo? Porém, uma vez na rede, nunca mais deixará de existir ou será apagado. Daí a necessidade de estar atento e buscar estabelecer limites de uso da tecnologia, proporcionando aos nossos filhos outras formas de entretenimento além do mundo digital. Quando você pesquisa sobre educação e como ter um suporte na educação dos seus filhos, você o faz com pauta no pensamento crítico? Procura conhecer as fontes, tenta ver se são confiáveis? Vai a fundo, ou simplesmente replica o que leu ou recebeu?  

Fortalecer a parceria com a escola e com as pessoas que estão sempre com os nossos filhos também é primordial. Educar exige muitas mãos e exige escuta atenta. Exige confiança e colaboração. Comunicação e cooperação. O próprio ato de educar, em si, já traz, intrinsicamente, todas as habilidades que o século 21 exige. Some-se a isso o mais importante componente para a formação do ser, cidadão global que fará a diferença na sociedade: o fator humano. As emoções. As experiências vivenciadas. O afeto. Isso, pais, a tecnologia não ensina. Isso, só o amor mesmo.