A língua é mais do que um meio de comunicação. Ela é usada em todo o mundo, a cada minuto. Todo aspecto de nossa vida envolve língua.

Ela é parte do desenvolvimento da personalidade de uma pessoa, porque é através dela que nos comunicamos e passamos a viver nossas experiências. O ser humano é formado por suas experiências pessoais quando está sozinho ou socializando na família, entre amigos, no emprego, na escola, etc.

O inglês se tornou a língua franca do mundo. Ele é usado para a comunicação global, e ter domínio sobre ele pode abrir portas para o mundo. Pensando nisso e nas inúmeras possibilidades que o inglês pode trazer para um indivíduo, escolas e pais buscam, cada vez mais, dar aos seus filhos oportunidades para aprender a língua inglesa.

Fantastic! Amazing! Fantástico! Maravilhoso!

Esse desejo de dar sempre o melhor para nossos filhos faz com que busquemos a melhor educação, as melhores oportunidades. O bilinguismo vem se afirmando como um caminho seguro e consistente para que nossos filhos possam abrir suas próprias portas, construir suas pontes e alargar seus caminhos, no seu ritmo, com seu passo.

Para que isso aconteça com mais segurança e consistência, escolas e famílias buscam fortalecer a sua parceria, visando sempre à independência das crianças, a formação de agentes transformadores e capazes de se sentirem bem com suas próprias caminhadas.

Essa parceria precisa de todas as mãos disponíveis na escola e na família. Precisa de interação, comunicação, escuta ativa e confiança.

É importante que pais e educadores estejam dispostos a interagir e estabelecer uma comunicação eficaz. Para tanto, a escuta ativa é sempre uma grande aliada.

Na escuta ativa, além da escuta propriamente dita, há momentos de perguntas, respostas e sugestões. Todas as partes envolvidas participam ativamente. Nesse exercício contínuo, existe a construção de confiança e laços que se fortalecem na medida em que se descobrem aprendendo e crescendo em conjunto.

A escuta ativa requer o desenvolvimento de algumas habilidades:

  1. Estar atento.
  2. Fazer perguntas que trazem reflexão.
  3. Fazer perguntas que confirmam entendimento do diálogo.
  4. Pedir que clarificações sejam feitas.
  5. Parafrasear como forma de consolidação de entendimento.
  6. Estar sintonizado com seus sentimentos e emoções de uma forma auto-reguladora.
  7. Exercitar a empatia.
  8. Ter habilidade para resumir.

Um conjunto de habilidades que formam o ciclo virtuoso da comunicação eficaz e assertiva. Uma comunicação que sai da teoria e promove mudanças e crescimento para todos.

Na educação bilíngue com base na construção da aprendizagem através de conteúdos, a escuta ativa é vivenciada diariamente em sala.

Que tal fazer com que ela extrapole os muros da escola e seja vivenciada entre escola e família?

Nela, não há espaço para ruídos, o som vem claro e a aprendizagem de todos é uma garantia.

Um desafio? Sim! Mas não há aprendizagem ou crescimento sem desafios.

Vocês topam?