“No passado, estávamos de olho no futuro. Agora que ele chegou, nosso foco é o presente!”

Cecília Lemos                   

 

Quem cresceu nos anos 80 e 90 ouviu, em algum momento, algo como: “aprender inglês é o que vai garantir o seu futuro!”.  Há muitos fatores que nos levavam a pensar dessa maneira, como o uso do idioma quase que exclusivamente quando chegávamos ao ensino superior e ao mercado de trabalho. A dinâmica de aprendizado, muitas vezes baseada em repetições, também contribuía para essa visão de que o inglês só traria frutos no futuro.

Ao olhar pra trás, também cabe dizer que o acesso à informação era bastante limitado, especialmente por não termos toda a praticidade que a internet nos proporciona atualmente. Mas nossas experiências com tudo que envolvem a língua inglesa mudaram e, em um mundo marcado pela hiperconectividade, o contato com outras culturas acontece mais cedo e com maior intensidade.

Vamos falar de dois exemplos bem simples?

Você já viu alguma criança cantando Baby Shark, seja ao vivo ou em alguma rede social, incluindo o grupo de WhastApp da sua família? Outra pergunta: já notou como as pequenas e pequenos podem se divertir e se dar bem em jogos mesmo quando o conteúdo não está em português?

Por mais simples que possam parecer, esses exemplos nos ajudam a entender como o inglês está presente em nossas vidas, inclusive participando de diferentes fases do nosso desenvolvimento desde muito cedo. Então, aquilo que era visto como uma necessidade para o futuro se transformou em algo fundamental para o presente.

Com isso em mente, é animador pensar em como se dá a dinâmica de ensino-aprendizado desse segundo idioma, especialmente para quem, como nós, aposta no ensino bilíngue. Afinal, trabalhamos todos os dias para mudar a vida dos alunos graças à capacidade de o inglês abrir as portas para um novo mundo. Quando ele faz parte da rotina dos alunos, estando presente na aprendizagem de conteúdos diversos, permitimos que as conexões entre a vida e a teoria sejam mais fáceis de serem percebidas e assimiladas.

Seja pelo uso das novas tecnologias ou pela exploração de novas competências de ensino, há muitos recursos para que possamos criar experiências relevantes e repletas de significado para a vida dos alunos. As repetições cansativas do passado deram espaço para uma jornada empolgante, que desperta a curiosidade e cria laços afetivos com o segundo idioma.

O calendário letivo de 2021 está no seu início e, com ele chega, mais uma vez, o convite para que possamos transformar vidas por meio de uma abordagem totalmente contemporânea do inglês. Vamos juntos?

Cecília Lemos é Gerente de Serviços Educacionais da Richmond Brasil e uma das líderes do Programa Bilíngue Educate.